Nome:  Autor:
 Editora:  ISBN:
 Ano:

Livro "As Palavras de Saramago" cataloga reflexões pessoais do escritor

             Quatro meses depois da morte do escritor José Saramago, foi lançado nesta segunda-feira o livro "As Palavras de Saramago", que cataloga parte de suas reflexões pessoais, literárias e ideológicas manifestadas através de entrevistas à imprensa entre a década de 70 e março de 2009.A apresentação da obra reuniu hoje no Círculo de Bellas Artes, em Madri, a viúva do Nobel de Literatura de 1998, Pilar del Río; o ensaísta e poeta Fernando Gómez Aguilera, responsável pela seleção dos textos; e Pilar Reyes, diretora da Alfaguara, a editora que publica o livro na Espanha e América Latina.
             A obra, que já foi lançada no Brasil, sairá em breve em Portugal e chegará também aos Estados Unidos.Ao longo de mais de 500 páginas, o leitor encontrará as ideias de Saramago sobre questões como a deterioração da democracia, as desigualdades sociais, o atropelo dos direitos humanos, religião, morte, sua concepção da literatura, entre outras coisas.
Segundo Gómez Aguilera, diretor da Fundação César Manrique, o propósito do livro é oferecer o discurso "de uma mente brilhante, ágil e mordaz, que esteve sempre ligada à realidade de seu tempo". "Sempre digo o que penso. Ninguém poderá dizer nunca que o enganei. As pessoas têm a necessidade de que lhes fale com honestidade." Estas palavras do romancista português, recolhidas no começo do livro, resumem a atitude que manteve ao longo da sua vida.
             Sua sinceridade, no entanto, nem sempre foi bem vista pelos círculos de poder, já que, como disse hoje Gómez Aguilera, Saramago "vigiava o poder com suas afirmações e perguntas". A pedido da fundação, Saramago trabalhou nos últimos meses de sua vida em "uma carta dos deveres humanos". O escritor havia começado também um novo romance, sobre a indústria do armamento. "Com o tempo veremos o que fazer com estes capítulos, mas ainda não há nada decidido", contou Pilar. O romance tinha o título "Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas!", um verso do poeta e dramaturgo Gil Vicente, e começa com uma bomba que caiu em Extremadura durante a Guerra Civil espanhola e não chegou a explodir.
             A bomba ia acompanhada de um papel no qual se lia, em português: "esta bomba não matará ninguém". "Era uma sabotagem de uma empresa de armas", disse Pilar, lembrando que Saramago preocupava-se com todos os que trabalhavam em fábricas de armas.

Fonte: Globo.com

MAIO / 2012
Dia das Mães
NOVEMBRO / 2010
Feira de livro em Porto Alegre inspira apaixonados por boas histórias
Livro "As Palavras de Saramago" cataloga reflexões pessoais do escritor
Leitores encontram Benjamin Moser, biógrafo de Clarice Lispector
Evento exibe a última entrevista de Clarice Lispector à tevê
HOME | A CULTURAL STORE | LIVROS | PAPELARIA | BAZAR | CADASTRE-SE | LOCALIZAÇÃO | CONTATO

Av. Unisinos, 950 - Galeria Cultural Unisinos, Cristo Rei, São Leopoldo, CEP 93022-000
2017 - Livraria Cultural - Todos os direitos reservados